quinta-feira, 24 de julho de 2008

Mais retórica religiosa. Agora ao estilo Loma Linda...









Mais uma vez, os círculos criacionistas propagam a desinformação em suas publicações cujo intuito é propagar a fé cristã desacreditando o estudo científico em torno das teorias referentes à origem da vida.

A Sociedade criacionista Brasileira, o bastião do criacionismo e de seu correlato, o DI, lançou uma publicação (aqui) baseada apenas em retírica e críticas, sem nada construir a fim de que respalde sua teoria.

Até o momento, ainda não aprenderam que toda e qualquer teoria científica possui controvérsias e que tão pouco, criticar tais controvérsias, não rende sustentação a marolas metafísicas como o criacionismo e o DI.

Analisemos a publicação da SCB por George T. Javor (Ph.D. pela Columbia University) leciona bioquímica na Loma Linda University, Loma Linda, Califórnia, EUA.


O mistério da vida

George T. Javor

O estudo da matéria viva está no centro de todos os esforços científicos atuais. As recentes vitórias da ciência incluem a clonagem de Dolly, a ovelha, e a obtenção da se qüência dos três bilhões de nucleotídeos dos cromossomos humanos. Mas, estranhamente, a própria vida não é o objeto de maior estudo. Os cientistas parecem pensar casualmente na existência da vida. É difícil achar qualquer discussão sobre a essência da vida em monografias ou compêndios correntes. Essas publicações explicam muito bem a composição da matéria viva e como seus elementos funcionam. Mas tal informação não é suficiente para explicar a vida e por que os constituintes da matéria viva são, em si mesmos, sem vida.

A explicação da vida ainda se encontra sob estudos. A partir do momento que algo se replica de per si, passando adiante suas características e adaptando-se ao meio, pode ser considerado como vivo.

Quanto a Origem da vida, eu diria que isso ainda não é uma teoria (exceto a experiência de Urey - Miller, realizada em 1953).

Ainda seus estudos estão no nível das hipóteses, e já há teorias se desenhando (modelo das argilas, modelo hidrotermal, modelo dos hiperciclos, modelo dos tioésteres, ecopoese – ciclos geoquímicos, panspermia e RNA primordial).

Sim, panspermia é uma forte candidata a ser uma das teorias da origem da vida. Moléculas orgânicas existem em cometas e, mesmo que estes detonem com a violência de um arsenal nuclear, podem manter preservados determinados componentes orgânicos (cadeias carbônicas, álcoois, ésteres, tioésteres, aminas, amidas, tioaminas, tioamidas, tioálcoois, haletos, éteres, ácidos carboxílicos, aldeídos, cetonas, fenóis).

Estes podem ter se formado nos primórdios do sistema solar, com a radiação e pressão na formação dos cometas (água, poeira, gás carbônico e baixo percentual de organo-compostos).

É sabido que nosso planeta em seus primórdios foi bombardeado por estes corpos, sendo que uns 70% da nossa água se originou dos cometas.

Isso é um estudo que ocupará cientistas nas próximas décadas ou séculos.

Desse modo, exigir-se uma explicação a respeito de como a vida se dá, no atual nível das pesquisas seria no mínimo exigir demais a respeito de um estudo recente, embora este tenha tido alguns avanços.

Decomponhamos, a título de exemplo, a matéria viva e então recombinemos seus componentes isolados. Essa pesquisa irá fornecer uma coleção impressionante de substâncias inertes, mas não com vida. Até aqui a ciência não pôde criar a matéria viva em laboratório. Será isso por que a matéria viva contém um ou mais componentes que não podem ser supridos pelo químico? A resposta, como desenvolvida neste artigo, apresentará um ponto importante quanto à origem da vida.

Pode não haver ainda matéria viva, mas la se encontram seus elementos formadores. Esse fato elucida parte do quebra-cabeças, pois considerando-se a hipotética atmosfera da Terra (hipotese esta com base em padrões planetários do Sistema Solar), estes elementos poderiam ser formados.

Qual é a origem da vida?

Há mais de cem anos, Louis Pasteur e outros demonstraram a tolice da abiogênese — a transformação espontânea de matéria sem vida em organismos vivos. Os biólogos agora dizem simplesmente: “Vida só pode provir de vida”. Não obstante, os cientistas geralmente aceitam o conceito de que a vida se desenvolveu abiologicamente numa Terra primitiva. Assim fazendo, para sua própria conveniência, eles afirmam que as condições do “mundo primitivo” eram apropriadas à geração espontânea da vida.

Errado. Pasteur negou a teoria da geração espontânea, a qual é muito diferente de abiogênese, origem química da vida a partir de reações em compostos orgânicos originados abioticamente.




Idéias antigas de abiogênese também recebem o nome de geração espontânea, e essas foram há muito descartadas pela ciência; consistiam basicamente na suposição de que organismos mais complexos, dos que se observa diariamente, não se originassem apenas de seus progenitores, mas de "matéria bruta".

De acordo com o que o Sr. George T. Javor escreveu, não seria possível um Ph.D. pela Columbia University que leciona bioquímica na Loma Linda University, Loma Linda, Califórnia, EUA cometer um erro primário destes. Acho melhor Loma Linda contratar um outro professor para seus alunos....

Outros teorizam sobre a possibilidade de a vida ter sido importada do espaço exterior para a Terra. Embora a Terra esteja populada por milhões de diferentes espécies de organismos, não há evidência de vida em qualquer parte no sistema solar. E, além disso, há três e meio anos-luz de espaço vazio até a estrela mais próxima, a Alfa do Centauro.

Realmente, evidências de vida fora da Terra ainda não se teve notícias. Todavia é sabido que em cometas existem organocompostos, conforme citados anteriormente.

A última opção lógica para a origem da vida é a criação realizada por um Criador sobrenatural. Mas a ciência, em sua tentativa de explicar tudo por leis naturais, rejeita essa opção como estando fora dos limites científicos.

Estava demorando para começar com o proselitismo religioso e descer a lenha nas ciências naturais... Um criador nao se trata de uma opção lógica. Aliás é a mais ilógica de todas. Para alguem que questiona com tanta avidez a necessidade de evidências, o Sr. Javor se contradiz demais. Onde está a evidência do criador a fim de considerá-lo como uma hipótese plausível e lógica?

O objeto da ciência não é criar pontos estanques, mas ir em busca de respostas, mesmo que estas estejam no infinito.

A vida não é uma entidade tangível

A vida não é uma entidade tangível. Não pode ser posta num recipiente e manuseada. Somente vemos “vida” em associação com espécies únicas de matéria, as quais têm capacidade de crescer, dividir-se em réplicas e também de responder a vários estímulos externos, utilizando luz ou energia química para efetuar todas essas coisas.

O termo vida tem diferentes sentidos, podendo referir-se a um organismo, um órgão ou uma célula. Órgãos humanos podem continuar a viver depois da morte da pessoa se, dentro de certo tempo, forem transplantados para um indivíduo vivo. A sobrevivência de um fígado, rim ou coração transplantado, significa algo bem diferente da “vida” humana. Ademais, a vida de cada órgão depende da vitalidade de suas células.

Todas as manifestações de vida dependem de células vivas, as unidades mais fundamentais da matéria viva. Quando uma célula viva se divide, remanesce uma coleção muito complexa de estruturas subcelulares, mas sem vida: membranas, núcleos, mitocôndrias, ribossomos, etc.

Há uma seqüência ininterrupta entre matéria viva e não-viva, como alguns afirmam? Se houver, a questão da origem da vida torna-se discutível. Evoluir de um estado para outro seria semelhante a outras transformações químicas. Exemplos de organismos que supostamente transponham o abismo entre o vivo e o não-vivo incluem vírus, príons, microplasmas, rickéttsias e clamídias.

Com efeito, vírus e príons são biologicamente ativos, mas entidades não vivas. O termo “vírus vivo” é inapropriado, embora os vírus sejam agentes biologicamente ativos e infectem células vivas. Os príons são proteínas singulares que têm a capacidade de alterar as estruturas de outras proteínas.

As proteínas recém-transformadas, por sua vez, exercem atividade priônica, criando um efeito-dominó de alteração protéica. A propriedade priônica faz com que eles se tornem infecciosos. Para sua reprodução os príons, como os vírus, precisam de células vivas.

Rickéttsias, clamídias e microplasmas, por outro lado, acham-se entre os menores organismos vivos. Os primeiros dois têm sérias deficiências metabólicas e só podem existir como parasitas intracelulares. Há um vasto abismo entre matéria viva e a não-viva. Isso reflete melhor nossa incompetência de extrair vida de matéria anorgânica em laboratório.

Ainda não há uma tecnologia capaz de se realizar experimentos conforme a teoria da abiogênese. Não se sabe o que houve a 4 bilhões de anos nem como era o cenário no nosso planeta a fim de que prporcionasse a vida.

Tudo o que sabemos é com base em recursos escassos deixados nas rochas. Reescrever a história de nosso mundo é dificílimo, além de necessitar de muitos recursos para pesquisas. Talvez jamais consigamos tal façanha.

Todavia, isso não é motivos para que empurremos o problema para as divindades. Foi Deus e pronto.... problema resolvido!!!! O que isso teria de científico? Até uma criança, sem qualquer curso de PHd, daria essa brilhante resposta.



A composição da matéria viva








Estruturalmente a matéria viva é composta de uma combinação de água e de moléculas grandes, frágeis e sem vida, de proteínas, polissacarídeos, ácidos nucléicos, e lipídios. A Tabela 1 fornece a composição química de uma célula bacteriana típica, a Escherichia coli.

A água serve de meio em que as mudanças químicas ocorrem. Proteínas e lipídios são os principais componentes estruturais das células. As proteínas também controlam todas as mudanças químicas. Sem mudanças químicas a vida não pode existir. Saber como as proteínas interajem com as transformações químicas é indispensável à compreensão da base química da vida.

A estrutura das proteínas: uma analogia idiomática

As proteínas existem em milhares de formas diferentes, cada qual com propriedades químicas e físicas únicas. Essa diversidade se deve a seu tamanho.

Cada proteína pode conter centenas de aminoácidos, e há vinte aminoácidos diferentes. O que cada proteína é capaz de fazer depende da ordem em que seus aminoácidos estão ligados. Para compreendermos esse aspecto biológico, consideremos a analogia da linguagem escrita.

Em qualquer língua, o significado das palavras depende da seqüência das letras. No alfabeto inglês, por exemplo, temos vinte e seis letras. Com elas formamos as palavras. Umas 500 mil diferentes combinações de letras são reconhecidas como palavras significativas.

Com algum esforço poderíamos produzir outras 500 mil, ou mais, combinações sem sentido. Semelhantemente, os milhões de diferentes proteínas representam uma fração minúscula de todas as combinações possíveis de aminoácidos.

Quando as palavras são escritas erradamente, seu sentido fica adulterado ou perdido. De igual modo, para que as proteínas funcionem adequadamente, seus aminoácidos precisam estar na seqüência de outros em ordem correta.

Os resultados de alterações na seqüência de aminoácidos podem ser drásticos. A proteína transportadora de oxigênio no sangue, a hemoglobina, é constituída de quatro cadeias de mais de 140 aminoácidos cada uma.

Na anemia falciforme, uma doença hereditária, apresenta-se um aminoácido alterado na sexta posição de uma seqüência específica de 146. Essa mudança causa distorção nos glóbulos vermelhos, o que resulta em anemia e muitos outros problemas.

Dependendo de cada DNA, será dada a seqüência de proteinas do indivíduo e portanto suas características. Existem muitas anomalias genéticas, uma vez que, durante a replicação ou a transcrição, podem ocorrer erros.

Informação genética e seqüências de aminoácidos

Como o sistema produtor de proteínas conhece as seqüências corretas de aminoácidos para cada uma das milhares de proteínas?

Os cromossomos de cada célula são bibliotecas repletas de tais informações. Cada volume dessa biblioteca é um gene.

Quando a célula necessita de certa proteína, ela ativa o gene dessa substância e a síntese tem início. Os detalhes desse processo podem ser vistos em qualquer compêndio atual de biologia ou bioquímica. Basta lembrar que mais de cem eventos químicos distintos têm de ocorrer para que a síntese da proteína aconteça.

Todas as manifestações da vida dependem de transformações químicas. Essas modificações sucedem quando grupos de átomos (moléculas) ganham, perdem ou re-arranjam seus elementos. Uma classe de proteínas, as enzimas, unem moléculas específicas e facilitam suas transformações químicas. Na Escherichia coli, ou bacilo coliforme, há cerca de 3.000 diferentes tipos de enzimas, os quais facilitam 3.000 mudanças químicas diferentes.

As enzimas aceleram intensamente as reações. Isso poderia ser um problema grave porque, quando uma reação é completada, seu ponto final, conhecido como equilíbrio, é alcançado, e não ocorrem outras mudanças químicas posteriores. Uma vez que a vida depende de mudanças químicas, quando todas as reações atingem seus pontos finais, a célula morre.





É impressionante que na matéria viva nenhuma das reações jamais atinge o equilíbrio.

O equilíbrio não é atingido pois seres vivos são sistemas abertos dr. Javor!!! Freqüentemente seres vivos comem, bebem, recebem energia do Sol.

Se o sistema continua sendo alimentado o equilíbrio não é atingido. Basta se observar uma planta industrial de produção de polímeros. Enquanto são adicionadas as matérias primas e os catalisadores a reação prossegue indefinidamente.

Essa foi demais... prefiro entender isso como retórica de má fé proselitista cristã em vez de incapacidade do autor do artigo, no que concerne a discorrer sobre equilíbrio químico.

A razão é que as mudanças químicas estão interligadas, de modo que o produto de uma modificação química forma a substância básica para a seguinte. Se as moléculas biológicas fossem representadas pelas letras maiúsculas do alfabeto, uma seqüência típica de conversões químicas apareceria como a Figura 1 ilustra.

Tal seguimento, ou “trilha bioquímica”, parece-se como uma linha de montagem industrial. O produto final deste traçado particular, a substância F, é utilizado pela célula e, portanto, não se acumula. Na matéria viva ou orgânica, cada um dos milhões de moléculas (Tabela 1) é mantido em seu rumo. Qualquer deficiência ou excesso resulta imediatamente em ajustes nas taxas de transformações químicas.

A Figura 2 mostra que numa célula viva a matéria é organizada em hierarquias sucessivamente mais complexas. As flechas representam traçados bioquímicos que vão desde substâncias simples até as complexas. A dependência recíproca entre os componentes celulares na direção vertical, é comparada às relações lógicas entre letras, palavras e sentenças da linguagem escrita, até o nível de um livro.

Contudo, o grau de tolerância a erros é muito menor em biologia. Palavras mal soletradas, sentenças confusas ou parágrafos faltantes podem inutilizar um documento. Mas por causa da estreita interdependência funcional de seus componentes, as células estariam em grande dificuldade se suas partes não fossem completadas integralmente.

Há também uma complementação horizontal entre os componentes celulares. Por exemplo, as proteínas não podem ser manufaturadas sem a assistência dos ácidos nucléicos; e ácidos nucléicos não podem ser sintetizados sem as proteínas. De uma perspectiva química evolucionista, esse problema se parece com o enigma clássico da “galinha e do ovo”. (Ver a Figura 2.)

Errado!!! aqui esta explicado (item 9 e 14) no que concerne às ribozimas.

Toda senda biossintética conduz a níveis sucessivamente mais complexos de organização da matéria. Toda vereda é regulada de modo que seu produto seja apropriado para as necessidades da célula.

A vida da célula depende da operação harmoniosa e quase simultânea de seus vários componentes. Durante um crescimento equilibrado existe um estado constante; isto é, há apenas perturbações mínimas no fluxo de matéria através de suas trilhas. Como não é permitido a nenhuma das reações atingir seu ponto final, cada uma das milhares de reações químicas interligadas se encontra num estado de desequilíbrio constante.

Tentativas químicas evolucionistas

Se há forças naturais que produzem vida, devíamos buscar diligentemente descobri-las e usá-las. Se a abiogênese fosse possível, poderia ser aproveitada para restaurar a vida das células, órgãos e mesmo organismos mortos. Quem argumentaria que a criação de matéria viva, ou a reversão da morte, não seria a descoberta mais significativa para a humanidade?

Errado!!! Uma vez que o organismo não mais possa exercer suas funções estaria morto e, em tese, não mais poderia ser trazido a vida.

O envelhecimento do organismo como um todo está relacionado com o fato das células somáticas do corpo irem morrendo uma após outra e não serem substituidas por novas como acontece na juventude.

O motivo é que para a substituição poder acontecer as células somática têm de se dividir para criarem cópias que vão ocupar o lugar deixado vago pelas que morrem.

Em virtude das multiplas divisões celulares que a célula individual regista ao longo do tempo, para esse efeito, o telomero (extensão de DNA que serve para a sua proteção ) vai diminuindo até que chega a um limite crítico de comprimento, ponto em que a célula deixa de se dividir envelhece e morre com a conseqüente diminuição do número de células do organismo, das funções dos tecidos, orgãos, do próprio organismo e o aparecimento das chamadas doenças da velhice e não só. Existe uma enzima natural (telomerase) em todos os organismos vivos que está encarregada de proceder à manutenção dos telómeros.

Por cada divisão da célula acrescenta a parte do telomero que se perde em virtude da mesma, de modo que o telómero não diminui e a célula pode-se dividir sempre que precisa.

O que acontece é que ela faz essa função unicamente nas células germinativas fazendo com que estas sejam permanentemente jovens independentemente do organismo ser já velho. Devia fazer o mesmo nas células somáticas do organismo, mas, isso não acontece.

As células somáticas têm o gene da telomerase mas não a produzem pois, este não está activado. Actualmente a ciência já consegue activar a telomerase e criar células saudáveis imortais. Revistas cientificas como a Science (1998) já trouxeram artigos sobre este assunto. FIM 12/07 Jov

No caso dos seres vivos relaciona-se com a diminuição da reserva funcional, com a diminuição da resistência às agressões e com o aumento do risco de morte.

Assim, tal pretensão de vida eterna, somente poderia ser atingida no caso de nanomáquinas repararem nossas células a fim de que elas continuem se dividindo.

Mas isso ainda está longe de acontecer.

Contudo, a história de bioquímica sugere que isso é improvável. Na década de 1920, quando Oparim e Haldane primeiramente propuseram que a vida se originou espontaneamente numa Terra primitiva, a bioquímica estava em sua infância. Mesmo esse conceito era uma elaboração da idéia de Darwin, de que a vida surgiu num lago morno.

O primeiro curso metabólico só foi descrito na década de 1930. A estrutura e a função do material genético começaram a ser compreendidas na década de 1950. A primeira seqüência dos aminoácidos de uma proteína, a insulina, foi traçada em 1955, e a primeira seqüência de nucleotídeos do cromossomo de um organismo vivo foi publicada em 1995.

À medida que a base química da vida começou a ser mais bem compreendida, ela se mostrou mais complexa do que originalmente imaginada, e as primeiras sugestões abiogenéticas deveriam ter sido reconsideradas. Em vez disso, a ciência embarcou numa longa viagem de meio século para demonstrar experimentalmente a plausibilidade da abiogênese.

Os primeiros experimentos sugerindo a razoabilidade da evolução química foram feitos por Stanley Miller, que em 1953 publicou a síntese de aminoácidos e de outras substâncias orgânicas sob condições primitivas simuladas.

Subseqüentemente, surgiu uma subdisciplina que fornecia evidências laboratoriais da produção de 19 dos 20 aminoácidos, e de quatro ou cinco bases nitrogenadas necessárias para síntese de ácido nucléico, de monossacarídeos e ácidos graxos, tudo sob hipotéticas condições primitivas variáveis.

Todas essas substâncias são componentes dos quais os grandes biopolímeros são feitos, projetando a possibilidade da produção primária de biopolímeros.

Contudo, a demonstração da ligação de blocos de células em cadeias de polímeros não pôde ser realizada. Todo o elo entre os blocos de substâncias típicas requer a remoção da água.

Isso é praticamente impossível no ambiente hídrico dos pressupostos oceanos primitivos.

Hoje, de acordo com o modelo dos os hiperciclos, propostos por Manfred Eigen como protótipos dos ciclos metabólicos primitivos. Outras propostas que fogem às especificidades da postulação de uma bioquímica primitiva são a proposta do "Garbage Bag World" ("Mundo Saco de Lixo"), do físico Freeman Dyson, endossada por Robert Shapiro e o modelo de complexidade de Stuart Kauffman.

A primeira propõe que vesículas contendo coleções de compostos químicos formadas ao acaso competissem em viabilidade até que uma delas apresentasse todas as características de um sistema vivo primitivo.

Sugere ainda que o metabolismo e a reprodução tivessem surgido independentemente e que os organismos atuais descenderiam de uma célula onde tivesse ocorrido a simbiose dos dois processos. Kauffmann defende, com base em modelos puramente matemáticos, que coleções suficientemente complexas de compostos químicos podem vir a "cristalizar" ciclos metabólicos.

Tais ciclos demandariam pequenas quantidades de água confinadas em fendas de modo a propiciar reações químicas, competirem entre si, evoluirem e se reproduzirem.

No entanto não há rastros destes ciclos, uma vez que foram substituídos por formas mais eficientes como possivelmente um RNA primordial.

Ademais, as seqüências nas quais os aminoácidos se unem para transformar as proteínas ou nucleotídeos em ácidos nucléicos, são as que determinam a função desses biopolímeros. Além da matéria viva, não há mecanismos conhecidos que garantam se qüências significativas e reproduzíveis em proteínas ou ácidos nucléicos.

Sob condições primitivas simuladas, material semelhante à proteína tem sido produzido com o aquecimento de amostras de aminoácidos a altas temperaturas. Contudo, esses “proteinóides” eram aminoácidos ligados aleatoriamente por elos não naturais, os quais apresentam pouca semelhança com as proteínas reais.

Os nucleotídeos, blocos formadores dos ácidos nucléicos, ainda não foram sintetizados sob condições primitivas simuladas. Essa é uma tarefa formidável e que requer a ligação de uma base de purina ou pirimidina a um açúcar, e desse a um fosfato.

O desafio aqui não é somente a remoção da água, mas o fato de que esses três componentes podem ser ligados por dezenas de modos diferentes. Todas as combinações, exceto uma, não têm valor biológico. É desnecessário dizer que os ácidos nucléicos ainda não foram sintetizados.

O doutor Javor se esquece de que reações com isómeros possuem rendimentos distintos e, assim, uns se produzem mais que outros. Tudo isso sofre grande influência da pressão, da temperatura, das quantidades e concentrações de reagentes, dos espaços para propiciar as ligações químicas e de catalisadores naturais.

Mas isso não impediu que muitos cientistas postulassem que as células vivas mais primitivas continham inicialmente ácidos ribonucléicos. Essa hipótese de um “Mundo ARN” ganhou popularidade depois que se descobriu que certas moléculas de ARN tinham atividades catalíticas. Até então, acreditavase que a catálise fosse área exclusiva de proteínas.

Como bem diz implicitamente o Dr. Javor as ciências não são dogmáticas. Elas mudam conforme surgem novas evidências que apontem para outros caminhos.

A proposição do "mundo do RNA" feita por Walter Gilbert, em 1986, é baseada na descoberta do fato que estas moléculas são capazes tanto de armazenar informação (como o DNA na maior parte dos organismos vivos atuais), quanto de promover reações metabólicas (como atualmente as enzimas, de natureza protéica).

Além das evidências experimentais, que apontam para um rico repertório de atividades catalíticas e para a capacidade de replicação e evolução deste material, há, nos organismos vivos, inúmeros indícios deste "mundo do RNA".

Citam-se, entre outros, a natureza química dos co-fatores enzimáticos, estruturalmente relacionados com os monômeros do RNA e os processos de reprodução de vários tipos de vírus, tidos como remanescentes de formas primitivas de vida.

A etapa mais recente da origem da vida, tratada pela hipótese do mundo do RNA, é considerada pela maioria dos cientistas a mais bem conhecida, e talvez a única em que se tenha claramente ultrapassado o domínio da especulação.

Embora não seja possível fabricar biopolímeros biologicamente úteis sob condições primitivas simuladas, podemos obtê-los a partir de células anteriormente vivas.

Misturando esses biopolímeros isolados, é possível abreviar a evolução química tornando possível verificar se a vida se originará em tal mistura.

Mas em tal experimento, tudo está em equilíbrio. Uma vez que a vida ocorre somente quando todos os eventos químicos dentro da célula se acham em estado de desequilíbrio, o máximo que se pode conseguir através desse método é uma coleção de células mortas.

Caso estes biopolímeros reajam entre si, não haverá mais equilíbrio. O experimento proposto é inviável, pois fatalmente não acontecerá nada.


Como produzir matéria viva

Sabemos exatamente como produzir matéria viva: Primeiro, projete e sintetize alguns milhares de diferentes aparelhos moleculares capazes de converter substâncias simples, comumente disponíveis no meio ambiente, em biopolímeros complexos.

Segundo, certifiquese de que tais dispositivos sejam capazes de auto-reprodução precisa.

Terceiro, certifique-se de que essas unidades possam sentir seu meio ambiente e se ajustar a quaisquer mudanças que nele ocorram.

Então, é simplesmente uma questão de dar início simultâneo a centenas de rotas bioquímicas, mantendo o estado de desequilíbrio de cada conversão química, garantindo a disponibilidade de contínuo suprimento de matéria- prima, e provendo a remoção eficiente de refugos.

Uma exigência mínima para se criar tais mecanismos biológicos complexos é a familiaridade absoluta com a matéria em nível atômico e molecular.

Você também precisará de grandes idéias quanto ao uso dessas complexas maquinarias vivas, alimentando uma esperança proporcional ao esforço despendido em criá-las.

Fabricar células vivas requer controle absoluto de cada molécula grande ou pequena. Essa é uma capacidade que a ciência não possui.

Os químicos podem transformar grandes números de moléculas de uma forma em outra, mas não podem transportar moléculas selecionadas através de membranas para inverter as condições de equilíbrio. É por isso que não podemos reverter a morte.

Caso o transporte seja feito com o uso de energia, ele ocorrerá do meio menos para o mais concentrado de derterminada molécula. É o que ocorre dentro da célula.

Como se originou a vida na Terra? Este artigo mostrou a grande discrepância entre a bioquímica da matéria viva e as pretensões daqueles que gostariam de poder explicar sua origem por abiogênese.

Cinqüenta anos de pesquisa bioquímica demonstraram inequivocamente que, a despeito de quais sejam as condições, a abiogênese é uma impossibilidade. É apenas uma questão de tempo antes que o edifício chamado “evolução química” imploda sob o peso dos fatos.

Não demonstraram nada. Apenas demonstraram que há dificuldade de compreensão de como pôde ter ocorrido o evento da vida. Se a abiogenese fosse uma impossibilidade tão grande, seus estudiosos já a teriam descartado. Por que não o fizeram?

A que fatos o dr. Javor se refere? Ao de que Deus é o responsável por tudo? Esta hipótese é mais remota ainda que a teoria da abiogênese, que, ao menos, possui alguma coisa que, embora não a confirme, lhe dá subsídios de plausibilidade.

Em alguns pontos a bioquímica nos fez entender a estrutura celular e seus componentes de forma mais clara. Por outro lado mostrou que a vida é extremamente complexa e seu surgimento mais ainda.

A vida não deve ter surgido com a complexidade que conhecemos, seja a respeito do mecanismo de uma célula seja aquele referente à própria replicação de um simples vírus de RNA.

Ao nos referirmos a células, muitas estruturas podem ter existido, formado o sistema e terem sido descartadas com a evolução.

Assim, o argumento de Behe a respeito da ratoeira que é o do relógio de William Paley são pura bobagem. Analogamente, tais dispositivos usam maquinário e dispositivos acessórios para construí-los e seguidamente são descartados, exatamente como andaimes em prédios. Leia aqui.

Especulando-se sob este aspecto, a vida poderia ter se valido dessa mesma artimanha, o que não é problema algum.

A bioquímica também trouxe teorias diferentes da abiogênese clássica, porém sem fugir a sua característica.

Certamente, tal temática (origem da vida) nos ocupará por mais algum tempo.

Para o crente no relato bíblico da Criação, a asserção de que somente o Criador pode criar a vida não é um argumento para o “Deus das lacunas”.

Temos uma boa idéia do que seja necessário para criar a vida, somente não podemos fazê-lo. Essa é uma afirmação de que a vida não pode existir sem Deus.

Com efeito, a vida torna-se uma evidência a favor de um Criador todo-sapiente, que decidiu criar a vida e partilhá-la conosco.

Demorou mas apareceu. Como toda a publicação da SCB, surge mais uma deixa para o proselitismo cristão entrar em cena.

A solução do ilustre PHd até mesmo uma criança que saiba falar é capaz de propor. Empurrar o problema para Deus é cômodo, fácil e não gera mais dúvidas (pelo menos para os crentes).

Todavia, em matéria científica, não traz qualquer solução, mas cria um problema, pois como Deus fez isso, por que Deus quis fazer isso e quem fez Deus?


CONCLUSÃO:

A publicação em tela mescla linguagem científica e temática correta com erros (espero que causados por má fé) e pseudociência baseada em proselitismo religioso.

Dessa forma se trata de mais uma temática calcada em retórica ruim, sem nada acrescentar em matéria científica, uma vez que é a tática clássica usada pelos criacionistas, ou seja malhar uma teoria científica para brilhantemente concluir que foi Deus.

O cunho é sempre o mesmo: propagar a desinformação, a fim de convencer que a bíblia é a verdade absoluta e assim levar a mensagem do cristianismo.

É mais do que óbvio que se teorias como o big bang, origens da vida e evolução, à medida que ganhem terreno deixam para trás o relato bíblico, o qual tem por conseguinte sua verdade posta à prova e derrubada.

Isso se dá em razão de que o tronco judaico-cristão-islâmico é tido pelos seus seguidores como uma verdade revelada por Deus e, tal verdade não pode jamais ser contestada, uma vez que poria essas crenças sob a dúvida.

Quanto ao cristianismo é pior, uma vez que ao longo de seu desenvolvimento, a fim de "sua verdade" fosse aceita por gregos e romanos, construiu-se todo um corpo lógico-filosófico de modo a provar sua verdade.

Todavia, os saltos lógicos são imensos, sem respeitar o rigorismo que é demandado na análise lógica, conforme assevera o matemático John Allen Paullos (entrevista aqui), o que gera grandes abismos na seqüência analítica.

Dessa forma, o literalismo bíblico por parte de dos cristãos, judeus e islâmicos fundamentalistas é que se pode traduzir num grave problema para a compreensão das ciências e em relação ao entendimento de que toda a literatura bíblica não se trata de um compêndio científico, mas de mera alegoria mítica.






Um comentário:

Sobre o ombro de gigantes disse...

Prezado Elyson,

Mais uma vez devo congratulá-lo pelo trabalho hercúleo que tens ao corrigir estes “textos científicos”, se é que podemos classificá-los assim.

Note-se sempre uma preocupação desses autores em repetir sempre - “os cientistas” agora reconhecem isso ou mudam de opinião- num constante ataque a personalidade dos que ousam desmistificar o tema.

A doutrina criacionista agrada seus leitores quando utiliza à linguagem científica conciliada a fé. Crentes modernos de várias seitas adoram esse recurso que lhes permite sempre um ar de intelectualidade nos debates.

A mais recente (irritante) manifestação de bobagens é a utilização da linguagem das neurociências e da física quântica na mais nova modalidade de religião – a auto-ajuda.

Penso que o uso da linguagem científica pelos teólogos só demonstra o atual momento da crise de fé vivida pela ruptura ciência x religião; resultado do uso do método científico.

A religião atual – uma commodite – vai apelar para tudo que é possível e seu alvo os que se dizem religiosos ( religiosos de final de semana). Aqueles que possuem alguma formação universitária, embora com pouco conhecimento sobre o método científico; resultado de falhas de um ensino massificado e pouco crítico.

Finalizando, até vejo com bons olhos rebuscar científico nesse tipo de tema pelos crentes, como forma de estimular a busca de compreensão da ciência e do método científico. Como aqueles que tiverem oportunidade de ler seu texto e constatar as oposições.

Um abraço,

Luiz