domingo, 27 de junho de 2010

Maus usos da filosofia e ignorância científica Parte 6

TEXTO 6:

O texto ora sob análise é uma continuação do TEXTO 5.

Faz uma análise da proposta atribuída a Ludwig Boltzmann sobre a questão dos universos paralelos conectando-a à evolução biológica. Entretanto, na biografia de Boltzmann não consta tal idealização do universo. O termo multiverso foi cunhado pelo filósofo William James. Em relação ao que consta em material sobre o tema, a primeira teoria do universo paralelo foi proposta em 1950, pelo físico Norte Americano Hugh Everett.

Mas como essa ideia apareceu na Física?

Reproduzirei o artigo de How Stuf Works sobre o tema Universos Paralelos.

Em 1954, Hugh Everett III, um jovem candidato ao doutorado da Universidade de Princeton, apareceu com uma idéia radical: a existência de universos paralelos, exatamente como o nosso. Esses universos estariam todos relacionados ao nosso. 


Na verdade, eles derivariam do nosso, que, por sua vez, seria derivado de outros. Nesses universos paralelos, nossas guerras surtiriam outros efeitos dos conhecidos por nós. Espécies já extintas no nosso universo se desenvolveriam e se adaptariam em outros e nós, humanos, poderíamos estar extintos nesses outros lugares.

Isso é enlouquecedor e, mesmo assim, compreensível. Noções de universos ou dimensões paralelos, que se assemelham aos nossos, apareceram em trabalhos de ficção científica e foram usadas como explicações na metafísica, mas por que um jovem físico em ascensão arriscaria o futuro de sua carreira propondo uma teoria sobre universos paralelos?

Com sua teoria dos Muitos Mundos, Everett precisou responder uma questão muito difícil relacionada à física quântica: por que a matéria quântica se comporta irregularmente? O nível quântico é o menor já detectado pela ciência.

O estudo da física quântica começou em 1900, quando o físico Max Planck apresentou o conceito para o mundo científico. Seu estudo sobre a radiação trouxe algumas descobertas que contradiziam as leis da física clássica. Essas descobertas sugeriram que existem outras leis operando no universo de forma mais profunda do que as que conhecemos.

Em um curto espaço de tempo, os físicos que estudavam o nível quântico perceberam algumas coisas peculiares nesse mundo minúsculo. Uma delas é que as partículas que existem nesse nível conseguem tomar diferentes formas arbitrariamente. 

Por exemplo: os cientistas observaram fótons - minúsculos pacotes de luz - atuando como partículas e ondas. Até mesmo um único fóton tem esse desvio de forma [fonte: Brown University (em inglês)]. Imagine que você fosse um ser humano sólido quando um amigo olhasse você e, quando ele olhasse de novo, você tivesse assumido a forma gasosa.

Isso ficou conhecido como o Princípio da Incerteza de Heisenberg. O físico Werner Heisenberg sugeriu que, apenas observando a matéria quântica, afetamos seu comportamento; sendo assim, nunca podemos estar totalmente certos sobre a natureza de um objeto quântico ou seus atributos, como velocidade e localização.
 
A interpretação de Copenhague da mecânica quântica apóia essa idéia. Apresentada primeiramente pelo físico dinamarquês Niels Bohr, essa interpretação afirma que todas as partículas quânticas não existem em um ou outro estado, mas em todos os estados possíveis de uma só vez. A soma total dos possíveis estados de um objeto quântico é chamada de sua função de onda. A condição de um objeto existir em todos seus possíveis estados, de uma só vez, é chamada de superposição.

Segundo Bohr, quando observamos um objeto quântico, afetamos seu comportamento. A observação quebra a superposição de um objeto e o força a escolher um estado de sua função de onda. Essa teoria explica por que os físicos obtiveram medidas opostas em relação ao mesmo objeto quântico: o objeto "escolheu" estados diferentes durante diferentes medidas.

A interpretação de Bohr foi amplamente aceita e ainda o é por grande parte da comunidade que estuda física quântica, mas ultimamente a teoria de Everett dos Muitos Mundos tem recebido muita atenção.

 
O jovem Hugh Everett concordava com muito do que o altamente respeitado físico Niels Bohr havia sugerido sobre o mundo quântico. Ele concordava com a idéia da superposição e com a noção das funções de onda, mas discordava de Bohr em um ponto vital.
 
Para Everett, medir um objeto quântico não o força de um estado para o outro, mas uma medida tirada de um objeto quântico causa uma quebra no universo. O universo é literalmente duplicado, dividindo-se em um universo para cada possível desfecho da medida. Por exemplo, digamos que a função da onda de um objeto seja tanto de uma partícula quanto de uma onda.

Quando um físico mede a partícula, existem dois desfechos possíveis: ela será medida como uma partícula ou como uma onda. Essa diferenciação transforma a teoria de Everett dos Muitos Mundos em uma concorrente da interpretação de Copenhague como uma explicação para a mecânica quântica.

Quando um físico mede o objeto, o universo se quebra em dois universos distintos para acomodar cada um dos possíveis desfechos. Então, um cientista em um universo descobre que o objeto foi medido na forma de onda. O mesmo cientista, no outro universo, mede o objeto como uma partícula. Isto também explica como uma partícula pode ser medida em mais de um estado.

Pode parecer estranho, mas a interpretação dos Muitos Mundos de Everett tem implicações além do nível quântico. Se uma ação tem mais de um resultado possível, então - se a teoria de Everett estiver certa - o universo se quebra quando aquela ação é tomada, o que continua sendo verdade, mesmo quando a pessoa decide não tomar uma atitude.

Isso significa que se você já esteve em uma situação onde a morte era um dos possíveis desfechos, então, em um universo paralelo ao nosso, você está morto. Esse é apenas um dos motivos que faz algumas pessoas acharem a interpretação dos Muitos Mundos perturbadora.

Outro conceito perturbador da interpretação dos Muitos Mundos é que ela mina nosso conceito linear de tempo. Imagine uma linha do tempo mostrando a história da Guerra do Vietnã. Em vez de uma linha reta mostrando acontecimentos notáveis progredindo adiante, uma linha do tempo baseada na interpretação dos Muitos Mundos mostraria cada possível desfecho de cada ação tomada.



Daí, cada possível desfecho das ações tomadas (como resultado do desfecho original) também seria registrado. Uma pessoa, porém, não pode ter consciência de suas outras personalidades - ou até mesmo de sua morte - que existem nos universos paralelos.


Então, como saberemos se a teoria dos Muitos Mundos está certa? A certeza de que a interpretação é teoricamente possível veio no fim dos anos 90, com a experiência mental - uma experiência imaginada, usada para provar ou desmentir teoricamente uma idéia - chamada suicídio quântico. Você pode aprender mais sobre isso em Como funciona o suicídio quântico.

Esse experimento mental renovou o interesse na teoria de Everett, que foi, durante muitos anos, considerada bobagem. Desde que se provou a possibilidade dos Muitos Mundos, os físicos e matemáticos têm tentado investigar profundamente as implicações da teoria, mas a interpretação dos Muitos Mundos não é a única teoria que tenta explicar o universo, nem é a única que sugere a existência de universos paralelos ao nosso.

A teoria dos Muitos Mundos e a interpretação de Copenhague não são as únicas concorrentes que tentam explicar o nível básico do universo. Na verdade, a mecânica quântica nem é o único campo dentro da física que procura essa explicação. As teorias que surgiram do estudo da física subatômica ainda são teorias, o que divide o campo de estudo de forma semelhante ao mundo da psicologia. As teorias têm partidários e críticos, assim como as estruturas psicológicas propostas por Carl Jung, Albert Ellis e Sigmund Freud.

Desde que sua ciência foi desenvolvida, os físicos estão empenhados em desmontar o universo - eles estudaram o que poderiam observar e trabalharam sobre níveis cada vez menores do mundo da física. Ao fazer isso, os físicos tentam atingir o nível final e mais básico e é esse nível, eles esperam, que servirá como base para compreender todo o resto.

Seguindo sua famosa Teoria da Relatividade, Albert Einstein ficou o resto de sua vida procurando pelo nível final, que responderia todas as questões da física. Os físicos se referem a essa teoria ilusória como a Teoria do Tudo. Os físicos que estudam física quântica acreditam estar no caminho para encontrar a teoria final, mas outro campo da física acredita que o nível quântico não é o menor nível, portanto não poderia fornecer a Teoria do Tudo.

Esses físicos se voltaram para um nível subquântico teórico, chamado teoria das cordas, como sendo a resposta para tudo na vida. O que é incrível é que durante sua investigação teórica esses físicos, como Everett, também concluíram que existem universos paralelos.

A teoria das cordas foi criada pelo físico nipo-americano Michio Kaku. Sua teoria afirma que os blocos de construção essenciais de todas as matérias, bem como de todas as forças físicas do universo - como a gravidade - existem em um nível subquântico.

Esses blocos de construção lembrariam pequenas tiras de borracha - ou cordas - que formam os quarks (partículas quânticas) e, por vezes, os elétrons, átomos, células e assim por diante. O tipo de matéria que é criada pelas cordas e como tal matéria se comporta depende da vibração dessas cordas. É dessa forma que todo nosso universo é composto e, segundo a teoria das cordas, essa composição acontece por meio de 11 dimensões separadas.

Assim como a teoria dos Muitos Mundos, a teoria das cordas demonstra que existem universos paralelos. Segundo essa teoria, nosso próprio universo é como uma bolha que existe lado a lado de universos paralelos semelhantes. Ao contrário da teoria dos Muitos Mundos, a teoria das cordas supõe que esses universos podem entrar em contato entre si. Ela afirma que a gravidade pode fluir entre esses universos paralelos. Quando esses universos interagem, acontece um Big Bang semelhante ao que criou nosso universo.

Enquanto os físicos têm criado máquinas capazes de detectar a matéria quântica, as cordas subquânticas ainda precisam ser observadas, o que as torna - e a teoria da qual elas vêm - totalmente teóricas. Alguns não acreditam nela, ao passo que outros pensam que ela está correta.

Então, os universos paralelos realmente existem? Segundo a teoria dos Muitos Mundos, não podemos ter certeza, uma vez que não podemos vê-los ou senti-los de alguma forma. A teoria das cordas já foi testada pelo menos uma vez e com resultados negativos. O Dr. Kaku, contudo, ainda acredita que existam dimensões paralelas [fonte: The Guardian (em inglês)].

Einstein não viveu o bastante para ver sua busca pela Teoria do Tudo ser adotada por outros. Então, se a teoria dos Muitos Mundos estiver certa, Einstein ainda está vivo em um universo paralelo. Talvez, nesse universo, os físicos já tenham encontrado a Teoria do Tudo.

Em suma, seria interessante que o texto 6 apontasse as suas referências bibliográficas a fim de que elucidasse suas afirmativas.

A proposta apresentada no Texto 6 se coaduna àquilo que foi apresentado no post 4, no que se refere ao panorama da teoria das cordas, mas, como pode se notar, vai de encontro a tudo que se sabe, por enquanto, sobre o referido panorama.

Quanto à questão da vida e do tempo de uma Estrela, vejamos o que o texto diz:

[Nesse momento, um problema paralelo se coloca sobre a hipótese de diversos mundos como explicação do ajuste fino. De acordo com a predominante teoria da evolução biológica, a vida inteligente como nós mesmos, se é que evolui, o fará no período mais próximo possível do final da vida do Sol. Quanto menor o tempo disponível para os mecanismos da mutação genética e da seleção natural funcionarem, menor a probabilidade de evolução de vida inteligente. Dada a complexidade do organismo humano, é muito mais provável que os seres humanos evoluam no final da vida do Sol do que em seu início.]

A teoria da evolução não preconiza nada acerca de vida inteligente evoluir ao final da vida de uma estrela, uma vez que cada estrela possui um "prazo de duração", dependendo da quantidade de combustível que possui para queimar, o que se relaciona ao seu tamanho ou classificação. Grandes estrelas (as de classe O) têm uma taxa de queima de hidrogênio muito alta e assim duram bem menos que estrelas como nosso Sol.

Já as anãs vermelhas podem exceder os 10 bilhões de anos de idade. Quanto às anãs brancas nem se fala... Até o momento, detectou-se que elas, mesmo com a idade do universo estimada em 13,7 bilhões de anos, não tiveram tempo de esfriar.

Assim, a afirmativa não passa de uma falácia, ou melhor de pura ignorância em relação ao que é uma estrela e seu tempo de duração. Aliás, qual estudo conclui que a afafirmativa elaborada no Texto 6 tenha respaldo científico? Seria interessante que houvesse bibliografia e não palavrório solto, como faz o autor do texto.

Outro ponto, é a seguinte afirmativa:

[Com efeito, John Barrow e Frank Tipler listam dez passos na evolução do Homo sapiens, cada um deles tão improvável que, antes de poder acontecer, o Sol teria deixado de existir como estrela e teria incinerado a terra (The anthropic cosmological principle. Oxford: Clarendon, 1986, p. 561-565). Consequentemente, se o nosso universo nada mais é que membro do conjunto de mundos, então, presumido para o bem do argumento que a idéia evolucionista predominante da complexidade biológica esteja correta, é muito mais provável que devêssemos observar um Sol bastante velho, em vez de relativamente jovem. Caso sejamos produtos da evolução biológica, deveríamos nos ver num mundo no qual evoluímos bem no fim da vida de nossa estrela (isso é análogo a ser muito mais provável que devêssemos existir numa região menor de desequilíbrio na hipótese de Boltzmann).]

A primeira pergunta é como Barrow e Tipler calcularam a probabilidade de fenômenos como a origem da vida e a evolução das espécies, uma vez que desconhecemos seus mecanismos? Ou sera que eles os conhecem e até então não os revelaram?

Em seu livro "The Anthropic Cosmological Principle" Ed. Oxford, pgs. 556 a 571 (Weak Anthropic Principle constraints on the future of the Earth) é feita uma explanação sobre esse tema, com uma série de cálculos que leva até o Homo sapiens. Porém se trata de um cálculo que usa como premissas muitas conjecturas.

Em segundo ponto, não é possível estabelecer-se uma linha de probabilidade de uma origem da vida até determinada criatura, pois a vida poderia ter tomado muitos rumos, conforme o que o planeta lhe solicitasse. esse raciocínio é aquele típico do designer que é ofuscar com teoria das probabilidades uma ideia a fim de mostrar que em tudo há um propósito.

Todavia, o raciocínio é completamente furado, assim como as probabilidades calculadas por Barrow e Tipler também o são. Um bom exemplo para fazer tal afirmativa cair por terra é como em milhões de espermatozóides e em centenas de óvulos um determinado ser humano pode nascer. Ou seja, qual a probabilidade da Mariazinha nascer e não da Antoninha, do Joãozinho, da Clarinha, do Isaaquinho, da Vanessinha, do Elysinho do Tiplerzinho, do Barrowzinho ou do Zezinho?

A Mariazinha em si é um evento altamente improvável, mas um ser humano é muito provável que nasça. Assim é o Universo, como apresentamos no post 4, e a a vida. O que esperar da vida? Que caminhos ela pode trilhar? Isso depende de agentes internos e externos ao planeta. Quando nada acontece, há um belo período de estagnação, como o que temos vivido e, agora, a humanidade o está movendo.

O que será que irá acontecer? Como a evolução se processará a fim de adaptar a vida a este novo ambiente que está sendo criado pelo homem? Talvez Tipler e Barrow, com a ajuda do "designer" ou de deus, respndam essa questão.

Outro ponto segue abaixo:

[De fato, adotar a hipótese de diversos mundos para banir o ajuste fino também resulta em um tipo estranho de ilusionismo: é muito mais provável que todas as nossas estimativas sobre as idades astronômicas, geológica e biológica estejam erradas, que realmente existimos no período final da vida do sol e que a aparência de jovem da terra e do sol seja uma enorme ilusão (isto se compara mais á probabilidade de que toda evidência de idade avançada do nosso universo seja ilusória na hipótese de Boltzmann). Assim, a hipótese de diversos mundos não é mais bem-sucedida ao explicar o ajuste fino cósmico do que ao explicar o desequilíbrio cósmico.]

Em se tratando da afirmativa de que a idade das coisas esteja errada e haver uma ilusão de que a Terra e o Sol tenham mera aparência de juventude, é ignorar os avanços científicos no que se refere à medição da idade dos objetos do sistema solar, bem como da própria Terra assim como do Sol.

Aqui vale um parêntese extraído de "Retificando a Idade das Estrelas":

No Sol, cromosfera é a coroa que brilha no eclipse, zona rarefeita formada por átomos e elétrons que o astro emite. Em estrelas do tipo solar, a temperatura na fotosfera (superfície luminosa) é de 5.600 graus kelvin e na cromosfera vai de 10 a 100 mil graus.

Na fotosfera, átomos ou elétrons absorvem fótons (partículas de luz) e na cromosfera os emitem. Por isso, no espectro eletromagnético, fotosfera é identificada por linhas de absorção e cromosfera geralmente por linhas de emissão.

A análise dessas linhas permite estimar a idade da estrela, pois, à medida que envelhece, ela gira cada vez mais devagar, o que afeta seu campo magnético e, portanto, a temperatura da cromosfera, diminuindo a intensidade da linha de emissão.


Assim, é fácil saber quando uma estrela possui um determinada idade. Não precisamos relegar isso tudo ao mundo da aparência e "viajar na maionese" para explicar o suposto ajuste fíno cósmico, tratado no post 1 e no post 4.

Vale ler também o artigo intitulado "Onde pode haver Vida", "A Idade das Estrelas I", "A Idade das Estrelas II", "Como Funcionam as Estrelas", "As Três Mortes das Estrelas", "Star" (na Wikipédia mesmo, pois o tema está bem tratado), "O Universo e a Origem do Sistema Solar", "O Sol - Sisitema Solar", "Cronômetros da Terra - O Tempo Geológico" e "As Origens do Sistema Solar".

Esta bibliografia já é suficiente para dar uma boa noção acerca dos temas, muito mal expostos e com péssimo nível de conhecimento astronômico, geológico e biológico, apresentados no Texto 6 aqui sob análise.

Quase ao final de sua abordagem, o texto nos brinda com um brilhante argumento da ignorância:

[Por essas quatro razões (leia aqui a primeira e a segunda), a hipótese de diversos mundos enfrenta um severo desafio como candidata a melhor explicação do ajuste fino cósmico observado. Portanto, parece ser plausível que o ajuste fino do universo não se deva nem à necessidade física e nem ao acaso. O resultado é que o ajuste fino se deve, portanto, ao desígnio, a não ser que se possa demonstrar que a hipótese do Design seja ainda menos plausível que suas concorrentes.]

Como fora abordado no post 4, até o momento, o que parece haver é uma lei física para que os universos ocorram em vácuos estáveis, embora as opções sejam muitas. Assim, não há nem necessidade física, nem acaso e nem desígnio, mas pode haver uma lei meramente natural, a fim de que as variáveis abaixo se situem dentro de seus parâmetros:

N = é a relação entre as forças elétricas que mantêm nossos átomos coesos dividida pela força da gravidade que atua entre eles;

e = eficiência nuclear;

o = razão entre densidade real e densidade crítica;

L = a constante cosmológica de Einstein;

Q = é a relação entre a intensidade de ligação das estruturas do cosmo (estrelas, galáxiase aglomerados), ou seja, quanta energia seria suficiente para destruí-las e dispersá-las e a sua energia de repouso (E=mc^2);

D = número de dimensões espaciais em nosso mundo.

Pode ocorrer que caso estes números variem com suas devidas compensações dentro da gama de vácuos estáveis passíveis de ocorrerem, tenhamos universos com um ajuste fino bem distinto do nosso. Ainda há muito que se avançar no estudo de teoria das cordas e seu panorama a fim de que respondamos naturalmente uma questão natural, sem a "criação" de entidades metafísicas como resposta, contrariando-se o princípio da navalha de Ockham, bem como o método científico.

Quanto a conclusão do texto, ela beira as raias do absurdo, conforme segue. Analisemos uma a uma:

[
A hipótese do acaso só pode ser razoavelmente defendida pela postulação de um conjunto de mundos de um número infinito de universos aleatoriamente variados nos quais nosso universo aparece sozinho, por acaso. Mas tal hipótese é comprovadamente inferior à hipótese do Design porque

(1) ela é menos simples;

A navalha de Ockham não busca a resposta mais simples, mas a forma mais simples de se hipotetizar um tema, eliminando-se hipóteses supérfluas a fim de que possamos ter uma teoria simples. A conclusão aqui exposta se resume em desconhecer como o princípio funciona.

(2) não existe maneira conhecida de gerar um conjunto de mundos;

O panorama da teoria das cordas responde essa questão diferentemente. Não há uma evidência direta sobre a real existência do multiverso, mas há evidências indiretas, conforme exposto no post 4. Se a teoria, lá apresentada, estiver correta em seus cálculos, haverá assim uma predição para que tais mundos existam.

(3) não existe evidência independente para a existência de um conjunto de mundos;

A afirmativa aqui apresentada é a mesma anterior, porém em palavras diferentes. Conforme abordado anteriormente, começam a surgir evidências indiretas referentes ao multiverso.

(4) ela é incompatível com a teoria evolucionista biológica contemporânea.

Errado!!! A hipótese de multiverso em nada é incompatível com a evolução biológica, uma vez que poderia haver universos com propriedades físicas distintas deste que vivemos, perfeitamente ajustados para conter vida e, mesmo, vida inteligente.

Tampouco, seria incompatível com a teoria atualmente aceita sobre a origem do Sistema Solar e sua idade de, aproximadamente, 4,5 bilhões de anos.

Parece que, erroneamente, o autor se vale da falácia da vida inteligente surgir ao final do ciclo de uma estrela.


Portanto, o Design é a melhor explicação.

Não, o designer seria a pior explicação, porque, além de ferir o princípio de Ockham, e o método científico, simplesmente não explicaria nada. O designer, se este é um ser natural, pela teoria [SIC] proposta, sugere que ele tenha vindo de um outro universo, o que, por esta hipótese esdrúxula sugere um outro designer e assim por diante até que se chege a um ser metafísico, talvez um deus. 

Mas os proponentes do DI se negam a tratar da questão de quem é o designer, de onde veio, quais seus propósitos, por que fez o que fez, enfim, mas são fiéi$$$ em afirmar que ele existe.

Simplesmente, para não dar na cara dura, que se trata de religião travestida de ciência os proponentes do DI blindam a figura do designer e trazem a desculpa esfarrapada de que a "teoria" [SIC] trata apenas do design na natureza e não do designer(?!).

Ora, a quem afirma, que algo existe, cabe a ele o ônus da prova. Minha argumentação contra o o os textos que analisei, contra design e o designer está aqui, fundamentada com bases científicas e filosóficas e não com um amontoado de informações sem qualquer referência.


Deixando claro, o design na natureza existe e vai muito bem!!! Para os seres vivos a identidade do designer é a seleção natural.

Em relação ao Universo, a identidade do designer são as 4 forças fundamentais da natureza (eletromagnética, gravitacional, nuclear forte e nuclear fraca).

Aliás, gostaria que a autora dos posts citasse sua referência (de onde foi feito o "copiar/colar"), sobre quem é o autor do apanhado de baboseiras, qual o ano que isso tudo foi escrito e onde ele buscou suas afirmativas.


Concluo minha análise aconselhando aos fanáticos que não é pela farsa que se angariam fiéis, mas pela mensagem que a crença traz. Não há necessidade de procurarmos os deuses na natureza, e corrermos avidamente atrás de evidências ou más interpretações de cunho ingênuo ou valendo-nos da mais despresível má fé. Apenas acreditem por acreditar, sem fazer que a religião caia no ridículo e seja a mãe da ignorância, do obscurântismo, dos preconceitos e dos ódios.



Bibliografia Recomendada:

AQUINO, Tomás, SCOT, Duns, OCKHAM, William e ALEGHIERI, Dante. Os Pensadores. São Paulo Ed. Abril Cultural.

BARROW, John D. A Origem do Universo.
Rio de Janeiro, Ed. Rocco.  
 
BARROW, John D. & TIPLER,Frank J. The Anthropic Cosmological Principle. Ed. Oxford.
 
BENNET, Deborah. Aleatoriedade. São Paulo, Ed. Martins Fontes.

BOJOWALD, Martin. Relatos de um Universo Oscilante.
Scientific American Brasil, n. 78. São Paulo, Ed. Duetto.

BOUSSO, Raphael & POLCHINSKI, Joseph. O Panorama da Teoria das Cordas
Scientific American Brasil, n. 29. São Paulo, Ed. Duetto.


CARROL, Sean B. Infinitas Formas de Grande Beleza.Rio de Janeiro, Ed. Jorge Zahar.

CARROL, Sean M. As Origens Cósmicas da Seta do Tempo. Scientific American Brasil, n. 74. São Paulo, Ed. Duetto.

 
COLLINS, Graham. O Futuro da Física. Scientific American Brasil, n. 70. São Paulo, Ed. Duetto.

DESCARTES,René. O
s Pensadores. São Paulo Ed. Abril Cultural.

DAWKINS, Richard. A Grande História da Evolução. São Paulo, Ed. Companhia das Letras.

DAWKINS, Richard. A Escalada do Monte improvável. São Paulo, Ed. Companhia das Letras.

DAWKINS, Richard. O Maior Espetáculo da Terra. São Paulo, Ed. Companhia das Letras.

DAWKINS, Richard. O Relojoeiro Cego. São Paulo, Ed. Companhia das Letras.

DAWKINS, Richard. O Rio que saía do Éden. São Paulo, Rio de Janeiro, Ed. Rocco.

EISBERG, Robert & RESNICK Robert. Física Quântica. São Paulo, Ed. Campus.

FAGUNDES, Helio. Teoria da Relatividade. São Paulo, Ed. Livraria da Fisica.

GHIRALDELLI JÚNIOR, Paulo. História Essencial da Filosofia. São Paulo, Universo dos Livros.

GILSON, Étiene. A Filosofia na Idade Média. São Paulo, Ed. Martins Fontes.

GREENE, Brian. O Universo Elegante. São Paulo, Ed. Companhia das Letras.


GREENE, Brian. O Tecido do Cosmo. São Paulo, Ed. Companhia das Letras.

 
GLEICK, James. Caos - A Criação de uma Nova Ciência. São Paulo, Ed. Campus.

GLEISER, Marcelo. O fim da Terra e do Céu.
São Paulo, Ed. Companhia das Letras.

GLEISER, Marcelo. Criação Imperfeita. Rio de Janeiro, Ed. Record.

HABERMAS. Jürgen. Entre Naturalismo e Religião. Rio de Janeiro, Ed. Tempo Brasileiro.

HAWKING Stephen. Breve História do Tempo Ilustrada. Curitiba, Ed. Albert Einstein.


HAWKING Stephen. O Universo numa Casca de Noz. São Paulo, Ed. Mandarim.


HAWKING Stephen et al. O Futuro do Espaço-Tempo. São Paulo, Ed. Companhia das Letras.

HAWKING Stephen & MLODINOW Leonard. Uma Nova História do Tempo. Rio de Janeiro, Ediouro.

HOEBEL, E. Adamson & FROST, Everett. Antropologia Cultural e Social. São Paulo Ed. Cultrix.

JENKINS, Alejandro & PEREZ, Gilad. A Busca Pela Vida na Estranheza do Multiverso. Scientific American Brasil, n. 93. São Paulo, Ed. Duetto.

JOSHI, Pankaj S. Singularidades Nuas.
Scientific American Brasil, n. 82. São Paulo, Ed. Duetto.

 
KAKU, Michio. O Cosmo de Einstein. São Paulo, Ed. Companhia das Letras.

KAKU, Michio. Mundos Paralelos. Rio de Janeiro, Ed. Rocco.


KAKU, Michio. Hiperespaço. Rio de Janeiro, Ed. Rocco.

KANT, Immanuel.
Os Pensadores. São Paulo Ed. Abril Cultural.

KRAUSS, Lawrence M. & SCHERRER, Robert. O Fim Provável da Cosmologia. Scientific American Brasil, n. 71. São Paulo, Ed. Duetto.

 
MAGEE, Bryan História da Filosofia. São Paulo, Edições Loyola.

MARCONDES, Danilo. Iniciação à História da Filosofia.
Rio de Janeiro, Ed. Jorge Zahar.

MARIAS, Julian. História da Filosofia. São Paulo, Ed. Martins Fontes.

MURPHY, Michael P. & O´NEILL, Luke A. J. O que é vida? 50 Anos depois. São Paulo Ed. UNESP.

NICOLA, Ubaldo. Antologia Ilustrada de Filosofia. São Paulo, Ed. Globo.

REES, Martin. Apenas Seis Números. Rio de Janeiro, Ed. Rocco.

RUSE, Michael. Sociobiologia: Senso ou Contra-senso. O Homem e a Ciência n. 13. São Paulo. Ed. da Universidade de São Paulo.

SIDGWICK, Henry. História da Ética.São Paulo, Ed. Icone.

STEWART, Ian. Será que Deus Joga Dados?
Rio de Janeiro, Ed. Rocco.

TIPLER, Paul A. & Llewellyn. Física Moderna. Rio de Janeiro, Ed. LTC.


VIDEIRA, Antônio Passos & EL-HANI, Charbel Niño. O que é Vida? Rio de Janeiro, Ed. FAPERJ.

WARD, Peter D. & Brownlee Donald. Sós no Universo? São Paulo, Ed. Campus.

WALLACE, Robert A. Sociobiologia - O Fator Genético. São Paulo. Ed. Livros que Constróem.

YOUNG, Eric T. O Misterioso Nascimento das Estrelas. Scientific American Brasil, n. 94. São Paulo, Ed. Duetto.

ZIMMER, Carl. O Livro de Ouro da Evolução. São Paulo. Ediouro.

Astronomy
Brasil - 5 Chaves para abrir a Cosmologia. Maio de 2007 São Paulo, Ed. Duetto.

Astronomy Brasil - O lado Sinistro da Gravidade. Agosto de 2007 São Paulo, Ed. Duetto.

Scientific American Brasil - Edição Especial, n.1: O Passado e o Presente do Cosmos. São Paulo, Ed. Duetto.


Scientific American Brasil - Edição Especial, n.8: As Fronteiras da Física. São Paulo, Ed. Duetto.

Scientific American Brasil - Edição Especial, n.9: ANovas Luzes sobre o Sistema Solar. São Paulo, Ed. Duetto.

Scientific American Brasil - Edição Especial, n.13: A Vida Secreta das Estrelas. São Paulo, Ed. Duetto.

Scientific American Brasil - Edição Especial, n.15: As diferentes Faces do Infinito São Paulo, Ed. Duetto.

Scientific American Brasil - Edição Especial, n.18: Buracos Negros. São Paulo, Ed. Duetto.

Scientific American Brasil - Edição Especial, n.21: Paradoxos do Tempo. São Paulo, Ed. Duetto.

Scientific American Brasil - Edição Especial, n.24: Relatividade: O que Einstein Gostaria de ter visto. São Paulo, Ed. Duetto.

Scientific American Brasil - Edição Especial, n.29: Todos os Estados da Luz. São Paulo, Ed. Duetto.

Scientific American Brasil - Edição Especial, n.34: ADe que é feito o Universo. São Paulo, Ed. Duetto.

Scientific American Brasil - Gênios da Ciência, n. 11: Hawking. São Paulo, Ed. Duetto.

Scientific American Brasil - Gênios da Ciência, n.4: Feynman. São Paulo, Ed. Duetto.

Scientific American Brasil - Gênios da Ciência, n.6: Einstein. São Paulo, Ed. Duetto.

Scientific American Brasil - Gênios da Ciência, n.13: Quânticos. São Paulo, Ed. Duetto.

Scientific American Brasil - Grandes Mistérios do Cosmos: Anuário de Astronomia 2010. São Paulo, Ed. Duetto.

2 comentários:

Demente disse...

Sua série de textos é fantástica.

Na verdade, já havia até me esquecido dessa série de textos da Vanessinha. Aliás, o texto abaixo mostra até onde pode ir o "apelo à ignorância":

http://vanessinhameira.blogspot.com/2010/07/o-crente-que-quer-ser-legal-e-parecer.html

Destaque especial para a citação de Billy Graham:

"Não encontro dificuldade em acreditar que Jonas foi engolido por um peixe. Eu acreditaria no relato ainda que a Bíblia dissesse que foi Jonas que engoliu o peixe!"

E pensar que eu até hoje achava que Billy fosse comediante.

Ps: atualmente, estou lendo um blog chamado Que Treta! (http://ktreta.blogspot.com/).

Comecei a ler esse blog do início - postagens e comentários - e atualmente estou no ano de 2008.

Aliás, ao ver seu nome, ele não me pareceu estranho:

http://ktreta.blogspot.com/2007/12/solha-e-raia.html?showComment=1232123640000#c8220481209667735815

Vou ler seu blog também.

Sobre o ombro de gigantes disse...

Depois de mais uma brilhante e extensiva contra-argumentação, só nos resta ver do adversário a resposta padrão esperada, bloquear seus comentários assim que acaba a munição.
A história se repete...